Um aviso sobre a newsletter

A newsletter do Pinguins Móveis saiu do beta! Inscreva-se e receba nossa newsletter. É de graça, não tem encheção de saco e volta e meia prometo algumas edições extras de coisas que gostaria de alertar, conversar “em privado” etc.

newsletter-551126_960_720

Ah sim: a partir da próxima semana, as newsletters semanais aparecerão com uma semana de atraso nos arquivos. E as newsletters extras, com um mês de atraso. Pitacos do pinguim com uma semana ou mês de antecedência, que tal?

Anúncios

Acciona: a estratégia latina da Jolla começa na Bolívia

Desde que a Jolla abandonou a fabricação de hardware e se tornou uma empresa de software, vem tentando espaço fora dos EUA, com variados resultados: se na Europa tem sido mais bem-sucedido e os esforços na Índia parecem ter se perdido no mar de esforços na Índia que todo mundo está fazendo, ainda faltam muitos mercados pelo mundo afora.

Um destes mercados é a América Latina e a Jolla consegue um parceiro: o grupo boliviano JALA lança sua linha de telefones Acciona, rodando Sailfish.

(Sem entrar em questões geopolíticas, a Bolívia é um mercado periférico dentro do continente; parece o local ideal para a Jolla conseguir um parceiro, já que é um mercado que não tem tanta atenção dos grandes players.)

As especificações são para competir com a linha Galaxy J, não por acaso a mais popular do continente…

…e os preços são relativamente compatíveis com a concorrência…

…e, claro, todo o discurso de independência tecnológica (o Grupo Jala tem origem em software).

Começar pela Bolívia me parece uma boa ideia para o investimento da Jolla na América Latina, especialmente se o Grupo Jala conseguir cumprir suas metas para 2018, tipo ter sua própria nuvem (e seus próprios serviços). A questão é se a Jolla vai conseguir contar sua história (e conseguir parceiros) em mercados latinoamericanos mais maduros, mais disputados e mais ligados a Google, Apple e Samsung.

Pi-Top 2: o laptop Raspberry Pi que esperávamos

A segunda versão do pi-Top é um refinamento bem-vindo da primeira versão: tela Full HD de 14″, teclado deslizante, mais tempo de bateria e uma melhor solução de resfriamento para o Raspberry Pi 3.

Idealmente o pi-Top é pra ser usado junto com a solução de software do pi-Top OS, mas nada impede de ser usado pra quem quer um laptop Raspberry Pi.

O meio do caminho do Purism Librem 5

Continuando a seguir a saga do crowdfunding do Purism Librem 5.

Faltando menos de um mês para terminar, o Librem 5 ultrapassa a importante marca de 50%; quando este post foi publicado, faltando 25 dias, estava em 54,57%.

O caminho parece mais livre do que há alguns dias atrás, mas ainda assim toda ajuda é bem-vinda, como é o caso do apoio explícito do postmarket OS.

O Purism Librem 5 e os dois grandes desktops Linux

O Librem 5 consegue dois apoiadores de peso: se semana passada o KDE anunciou parceria com a Purism para portar o Plasma Mobile, esta semana a Fundação GNOME anuncia que também será parceira da Purism para que as tecnologias GNOME/GTK funcionem bem no telefone livre.

Faltando 33 dias e chegando a um terço do 1,5 milhão de dólares de meta, o crowdfunding do Librem 5 precisará de todo apoio que conseguir.

Sailfish X: é possível ter um Sailfish OS (se você tiver um Xperia X em alguns países)

Na MWC deste ano, a Sony e a Jolla anunciaram uma parceria para levar o Sailfish a alguns telefones Xperia, começando pelo Xperia X, o reboot da linha de telefones da empresa japonesa, que também estava saindo na mesma feira (que em Xperia-time, é duas gerações atrás).

Depois de um ano inteiro de trabalho, a Jolla finalmente anuncia o início das vendas do Sailfish X, o Sailfish OS para Xperia X (para daqui a duas semanas).

Vai custar 49,90 euros, vai estar disponível em alguns países da Europa (e talvez EUA e Canadá), algumas coisas ainda não estão funcionais (Bluetooth, leitor de digitais etc), e ainda falta cumprirem a promessa de liberarem o código (mas daqui a duas semanas alguém cobra).