Das dores e delícias de ser um fabricante de aparelhos Android vendendo na China

Aconteceu no Japão, aconteceu na Coreia do Sul e vai acontecer na China: o momento em que eles vão parar de simplesmente copiar e começar a inovar. Sim, vai acontecer. A rigor, já era para estar acontecendo.

Mas porque não está acontecendo?

Rio Akasaka, gerente de produto do Google, tem algumas dicas nesta análise do Xiaomi Redmi 1S para o mercado doméstico.

Com tudo Google banido da China, Rio consegue captar bem a grande colcha de retalhos entre serviços de terceiros e rodas a serem reinventadas para dar ao usuário a experiência que ele espera. E tudo isso com uma pitada de camadas e camadas de segurança num mercado onde a falta de uma app store padrão criou um enorme vale-tudo entre os disputantes.

É óbvio que nem tudo são espinhos: por exemplo, há uma disputa interessante no vácuo deixado pelo YouTube. Mas fica complicado inovar quando se é necessário gastar toda a energia se equilibrando numa situação quase permanentemente instável.

Anúncios

Um comentário sobre “Das dores e delícias de ser um fabricante de aparelhos Android vendendo na China

Os comentários estão desativados.