Um mercado de tablets baratos

A conversa em torno dos tablets baratos continua, agora com os números do IDC Brasil para o terceiro trimestre.

Três porcentagens são chave: 88% (telas menores que 8″), 78% (tablets de até R$500) e 51% (tablets de até R$300). Está bem cristalizado que o mercado brasileiro de tablets é, em termos de volume, um mercado de tablets de 7″ até R$500. E ficam algumas perguntas:

  1. Qual é a relação deste mercado de 7″ até R$500 com o avanço da utilização como segunda tela da televisão (e a não-relação com o outro caso de uso dos tablets, que é substituir o notebook de trabalho/viagem)?
  2. Ainda há espaço para a expansão deste mercado em 2015, quando as primeiras ondas de choque da corrida entre Allwinner, Rockchip e Mediatek serão sentidas?
  3. Como os fabricantes mais “tradicionais” (Samsung, LG, Acer e Asus, e mais a Sony, que está saindo do low-end) sustentarão a batalha contra os concorrentes mais ágeis que estão dominando este segmento?
  4. A Xiaomi entrará no mercado de tablets ou ficará apenas nos telefones?
Anúncios