Uma primeira e última observação sobre o Fuchsia OS

Quando as primeiras notas sobre o Fuchsia surgiram, em agosto de 2016, quem recebe a newsletter soube minha opinião:

(Ah, Fuchsia: não tem Linux, não está no nosso escopo; e não tenho o fôlego – e me pergunto se alguém tem o fôlego – pra cobrir o mundo do IoT.)

Fuchsia voltou hoje, e me mantenho com a mesma opinião.

Mas tem o Armadillo, a interface gráfica (que usa Flutter e Dart, e é cross-plataforma, e pode ser usado no Android, tanto que tem APK já)… o que já vale nossa atenção.

Ainda falta uma totalidade de coisas (p.ex. não há notificações), mas o mais relevante até agora parece ser mesmo a tela dividida em tablets. E adoraria saber se e como vai funcionar na prática, entregando na mão dos usuários comuns, essa interface com cards pra cima e pra baixo.

Anúncios