Agora é a vez da Purism tentar a sorte na convergência

Um novo post com o progresso do Librem 5, desta vez focando em design. E, claro, citando “convergência”.

Além dos mockups, a colaboração com o upstream (KDE e GNOME), porque afinal é a Purism.

A opinião continua a mesma desde dezembro de 2014: convergência é uma solução em busca de um problema.

(em notas relacionadas)

O Purism Librem 5 e os dois grandes desktops Linux

O Librem 5 consegue dois apoiadores de peso: se semana passada o KDE anunciou parceria com a Purism para portar o Plasma Mobile, esta semana a Fundação GNOME anuncia que também será parceira da Purism para que as tecnologias GNOME/GTK funcionem bem no telefone livre.

Faltando 33 dias e chegando a um terço do 1,5 milhão de dólares de meta, o crowdfunding do Librem 5 precisará de todo apoio que conseguir.

O Ubuntu Touch e a convergência Ubuntu finalmente terão um enterro decente

ubuntu-em-tudo

Mark Shuttleworth jogou uma bomba no mundinho Linux nesta quarta: para concentrar esforços onde a Canonical ganha dinheiro (cloud e IoT), vai abandonar o Unity 8 e migrar o desktop padrão do Ubuntu 18.04 (o próximo LTE) para GNOME. E, pela lógica do dominó, abandonar o Unity é abandonar o Mir (o display server) e é abandonar o Ubuntu Touch e o esforço nos telefones e a convergência.

Enquanto todos os sites especializados em Linux e software livre tentam decifrar como virão as ondas de choque dessa decisão tão inesperada, este blog faz o enterro do Ubuntu Touch, dos telefones e tablets com Ubuntu e da Convergência Ubuntu usando, pela última vez, todas as fotos que temos sobre o assunto por aqui.

O Endless OS chega ao mercadão brasileiro

A Endless estava mais ou menos quieta desde seu bem-sucedido Kickstarter, afinal tinha que entregar as unidades, contribuir código para o upstream GNOME, liberar o Endless OS para que as pessoas possam baixar e testar, essas coisas.

Pelo menos no Brasil, esse silêncio é rompido com o lançamento dos seus computadores (para comprar) e com o notebook Z550MA-XX005 (para comprar).

Os computadores Endless tem pouquíssima concorrência no Brasil (talvez o Remix Mini, que não veio, e o Raspberry Pi, que não é exatamente plug-and-play), enquanto o notebook Asus com Endless OS tem como concorrente direto na arena dos “computadores com Linux vindo de fábrica” os Dell com Ubuntu.