Um segundo semestre brasileiro de Google Assistant e Blackberry KEYone

Já se sabia que viria desde o Google I/O, mas agora sabemos que o Google Assistant também desembarca no Brasil para Marshmallow e Nougat, além do futuro Android O.

Enquanto isso, a TCL confirmou que o Blackberry KEYone virá para o Brasil, a preço de topo de linha… não que a turma da nostalgia móvel, da necessidade de um telefone mais seguro ou dos viúvos e viúvas dos teclados QWERTY estivesse esperando algo diferente.

Os Pixel Phone by Google estão entre nós (e uma observação sobre Brasil)

Contando um lançamento por fotos em tuítes…

…e Daydream VR. E Google Assistant. MUITO Google Assistant.

O texto abaixo foi extraído da newsletter desta semana (que, aliás, você deveria assinar, se já não assinou); a única edição foi trocar de Google Pixel para Pixel Phone (sério, ficar repetindo Pixel Phone by Google o tempo todo não vai rolar).

Bônus: sobre as chances dos Pixel Phone chegarem ao Brasil

Com o grande evento do Google ocorrendo terça, é mais ou menos esperado que surja a especulação sobre se, como e quando os Pixel Phone virão para o Brasil.

Estamos falando apenas do Pixel Phone; outros produtos, como o Google Wifi, tem outra dinâmica de vinda ou não; e me surpreenderia se o Chromecast Ultra não vier.

Do timing de passagem na Anatel

Todos os caça-ovos do SGCH estão procurando os Pixel e Pixel XL; se pegarmos a série histórica das passagens dos Nexus no Brasil, passar antes do lançamento oficial é exceção e não regra.

Do primeiro momento

Os Pixel, no momento do lançamento, certamente ficará restrito aos mercados onde o Google já tem a Store. Alguém viu algum sinal da Google Store no Brasil? Nem eu.

De um momento futuro

A vinda dos Pixel fica dependendo de alguns fatores:

  • Pós-venda: seja por venda direta, seja por venda via terceiros, o Google Brasil já teria que estar em marcha com uma operação de reforço do pós-venda (assistência técnica, troca de produtos etc) para receber os telefones. Não tem nenhum sinal de estar ocorrendo este reforço.
  • Preço:  A HTC saiu do Brasil e não tem nenhuma unidade fabril nem contrato com alguma das montadoras em território nacional;  portanto, quase certamente o Pixel seria importado. Ter que importar um aparelho já caro em dólar, ainda mais com a instabilidade cambial constante, pode ser um obstáculo muito grande.

“Ah, então o melhor é importar?”

Se você quer um Pixel logo que sair, não tem alternativa. Se você pode esperar até uns 3 a 4 meses, melhor, porque fica mais claro se eles virão ou não.