Xiaomi Mi A1: a volta do Android One e o espólio dos Nexus

O Google não pode ser acusado de não tentar emplacar o Android One. Se não deu certo na primeira, na segunda, na terceira… vez, tente outra vez.

Melhor ainda… chame a Xiaomi, que se recuperou particularmente na Índia, e entregue o Mi A1: a primeira incursão do Android One a sério na gama média (bateu na trave com a General Mobile e com a Sharp, mas não era tão explícito) com Snapdragon 625, tela 5,5″ Full HD, 4GB/64GB, câmera dupla de 12 megapixels e… Google Android Nougat (sem MIUI, obrigado Google!) com promessa de Oreo ainda este ano e promessa de ser um dos primeiros com Android P(Pudim! Pudim!).

Google e Xiaomi calibraram bem o Mi A1 para que o topo de linha Android One sirva, também, para ocupar o espaço vazio desde o fim da linha Nexus, de aparelhos com Google Android (sei, sei, tem uma ou outra coisa da Xiaomi) a preços mais em conta… e ainda chega antes do rumoroso Nokia 7. Tendo em vista que este blog é viúva da linha Nexus, não estamos reclamando.

O preço, na Índia, está em 14990 rúpias, ou 235 dólares, ou 735 reais.

E, apesar do lançamento ter sido na Índia, o Mi A1 vai ter um lançamento global forte – como tudo da Xiaomi desde 2015, o Brasil foi hugobarrado no baile.

O Android Central tem um preview bem bacana, mas estamos na era dos vídeos instantâneos no Youtube, então divirtam-se.

Anúncios

A janela de oportunidade do Xiaomi Mi5 no Brasil

Já sabemos que o G5 latino (e brasileiro) virá com 652. Também sabemos que o X Performance só estará disponível em meia dúzia de mercados. O Galaxy S7 mexicano virá com Exynos 8890 e não acredito que o brasileiro seja diferente.

Dos telefones de empresas atuantes no Brasil com Snapdragon 820 só sobra um: Xiaomi Mi5.

Vamos ver se a Xiaomi nota a janela de oportunidade que se abriu à frente dela.

Mais do que nos interessou na MWC 2016

Acho que agora não falamos mais de MWC.

A Xiaomi tenta ser uma empresa global, então fica complicado de fazer lançamentos escondidos somente para o fandom em Pequim. Por isso o Mi 5 saiu na MWC não é apenas um flagship (tem algum problema começar a chamar de nau capitânea?) – embora seja uma nau capitânea bem interessante, apesar de ajudar a reacender o debate sobre Full HD em aparelhos desse tipo (essa discussão é um porre).

(De bônus, o lançamento da Xiaomi serviu para confirmar que a Qualcomm é a grande vencedora da MWC 2016)

Pra não dizer que não falamos da Espanha, a local Wolder lança dois laptops convertíveis com Remix OS.

Mais escondido, já que só deve sair na Índia, Intex Aqua Fish com Sailfish 2.0. Pena que não tem mais informações além do post no Jolla Users.

Mais preocupante é, faltando um mês pra versão 16.04, estes hands-on do Meizu Pro 5 com Ubuntu.

A Xiaomi Brasil chegou: let the bloodbath begin!

Com o Redmi 2 a um preço muito interessante…

…fazendo a concorrência rebolar…

…o que já fez a Asus se mexer da cadeira…

…pra tentar aproveitar a calma antes do banho de sangue.

Também veio a Mi Band e a Mi Power Bank.

O Redmi Note 4G não veio, fica pra próxima.

Amanhã é o dia da Xiaomi Brasil: mas e a nossa expectativa?

Não tem jeito, é amanhã. Quem foi convidado já recebeu seus convites, e nas redes sociais a empresa vai confirmando o que nós já esperamos, por exemplo, dois telefones (Redmi 2 e Redmi Note 4G):

Mas a grande verdade é que ninguém mais está ligando para qual telefone vem, quais acessórios virão etc. A expectativa é, toda, em preço. Vide a confusão criada pelo Submarino.

Todos (a internet andróide brazuca) criamos uma expectativa muito grande em cima da vinda da Xiaomi. Que, mesmo com Hugo Barra no comando, a empresa chinesa derrubaria os preços dos smartphones no Brasil. E o episódio do Submarino só serviu pra aumentar ainda mais a expectativa.

Só espero que essa expectativa, quase histérica, não deixe um gosto de guarda-chuva na boca de todo mundo se os preços da Xiaomi Brasil não forem o que o inconsciente coletivo da internet andróide brazuca espera.

Xiaomi no Brasil só via Mi.com

Depois do barata-voa de ontem à noite, a Xiaomi Brasil apareceu pra falar.

A Xiaomi informa que nossos produtos serão vendidos apenas no site oficial da marca no Brasil, Mi.com – Portanto, recomendamos a todos os nossos Mi Fãs que só comprem produtos e acessórios no nosso site, onde podemos garantir que os produtos são oficiais, testados e preparados para funcionar no Brasil. Todos os produtos e valores, assim como formas de pagamento, serão informados no nosso evento de lançamento no dia 30 de Junho.

Teremos duas semanas mais que divertidas.

É esse o preço do Xiaomi Redmi 2, Submarino.com?

ATUALIZAÇÃO: A Xiaomi Brasil saiu do silêncio.

Porque, se for, já podemos abrir o bolão da primeira marca a abandonar o mercado brasileiro de smartphones. (sim, o link foi retirado do ar, faz parte)

Captura de tela de 2015-06-16 22-21-52